Por Carol Souza Lima, em 9/12/2014, 10:14 am

Como eu virei decoradora?

Oiee!

Milênios sem postar, e uma saudade louca de escrever, contar algumas coisas e dividir experiências e contar “causos”. Então, meninas do meu Brasil, avisem ao povo todo: o meu blog está de volta e não apenas com FOTOS, mas com CONTEÚDO. Conteúdo bacana, com dicas para quem quer começar no mercado, dicas para quem quer fazer seu próprio casamento e dicas gerais, dramas de noivas, histórias. Vamos ver o que acontece… e onde a imaginação vai me levar. Conto com vcs nos comentários sempre para alimentar a fonte de idéias aqui na minha cabeçola.


Pode baixar o mouse e procurar, mas não tem foto nesse post. De propósito. :) Pare 3 minutos do seu dia, relaxe um pouquinho, pense no seu casamento com o amor que ele merece e mergulha aqui nas linhas pra dar uma espairecida. :)

Quem escreve o Blog, assim como quem responde TODOS os emails da minha mini empresa sou eu mesmo, Carol. E assim vai continuar sendo. Essa coisa de “pagar alguém” para fazer isso ainda não entra na minha cabeça, afinal, eu comecei escrevendo aqui, minha vida começou aqui, meu trabalho é fruto do que eu sempre escrevia. E ontem à noite, as minhas amigas mais íntimas, de milênios diziam o quanto elas achavam o máximo meu blog lá nos primórdios, quando era cheia de coisas escritas como um diário.

 


A vida mudou (e como mudou!), o cenário também, mas a Carol da essência, lá de 2007, continua aqui. E aquela que adora escrever tá adormecida, vai precisar de prática pra colocar em dia a escrita divertida, mas um dia ela retorna. Tenhamos fé!!! Então, vamos começar com uma pergunta que muito me fazem e que eu mal sei explicar.

 


Como tudo isso aconteceu? Eu não tô falando da minha história, de como eu vim parar nos casamentos, mas sim de como eu de leiga no assunto, e sem nunca ter estudado nada, me tornei decoradora de casamento?

 



Bem, a resposta poderia ser: Não tenho a menor idéia. Mas essa seria a resposta simplista, não responderia nada a ninguém, e não renderia um post, certo? :P


A verdade é que eu sempre tive um sonho (nem tão secreto assim) de fazer uma faculdade de Design de Interiores, desde quanto eu estudava Direito na UERJ. Aliás, desde antes de eu entrar pra UERJ.. Mas, sabe como é… a pressão de fazer uma faculdade “oficial”, algo mais “que dê um futuro”, etc e tal… e lá fui eu prestar vestibular. E passei e cursei. Mas, aquela vontadezinha sempre esteve lá, me alfinetando. Aliás (2), essa vontade não passou e enquanto eu escrevo esse post eu tenho algumas diversas abas abertas no meu Laptop de cursos disponíveis. Quem sabe eu não animo dessa vez?

 

Qdo eu comecei a ajudar as noivas a organizar seus próprios casamentos, fazer a decoração era sempre a melhor parte: “Vamos escolher os móveis!!!” E ai, eu fazia um desenho tosquinho, de qualquer jeito, media o espaço e ia lá diversas vezes pra ter certeza que tudo o que eu estava colocando naquele lugar cabia realmente.



Afinal, decorar um casamento é totalmente diferente de decorar uma casa, que me desculpem os arquitetos. Em uma casa, é possível ir lá, levar o móvel, simular, e ainda assim, se não tiver ficado bom, ou o espaço não ficou adequado, leva embora aquela peça ou aquele móvel e troca o coitado. Ou faz um ajuste. Corta um pedaço. Arranca. Muda. Amanhã volta. Mês que vem termina.

 

Mas, em casamento, não tem isso, não. Casamento é ali, o móvel chega na hora. Coloca no lugar e tem que estar bom. Não tem essa de “Ihh, não cabe..”. E se não couber tem que haver um jeito de caber, e , claro, de ficar lindo. Não é caber de um jeito mambembe. Embrulha e manda não existe nos meus casamentos.

 

Então, a coisa começou assim… víamos o Buffet, cabelo, maquiagem, etc, e daqui a pouco eu começava a ver os móveis, as flores, os guardanapos, os detalhes, as forminhas, as velas, e por ai vai… e , sem querer, mas querendo mto, a decoração virou parte da minha realidade.

 

Lembro mto bem quando tive que quase implorar a uma noiva que casou em 2009 para usar tecido na parede. Jurei de todas as formas que ia ficar lindo, incrível e que ela tinha que topar essa idéia. E graças a Deus, ela confiou em mim, e os tecidos começaram a entrar e mto nas decorações, de forma listrada, florida, colorida, e tampando o que não é bonito, fazendo paredes falsas ficarem lindos painéis que compõe os salões. trazendo cor e mais vida.



Mas, não achem vocês que tudo sempre foram flores. Até foram. Mtas flores, pq eu amo flor! Mas, todo caminho requer um certo ganho de confiança. E aos poucos, aqui e ali, a confiança vai chegando, a gente arrisca uma mistura aqui, um arranjo diferente ali, uma combinaçao de prata com rattan acolá. Uma madeira com dourado mais pra frente. Um tecido com plantas, uma coisa pendurada, uma idéia louca que a gente coloca em prática. E a coisa mais se tornando mais sólida, mais real na nossa cabeça. E a maturidade profissional e o ganho de arriscar, acaba fazendo com que todos os eventos eu tente criar algo novo.

 

Existem duas coisas que sempre me acompanharam: A primeira é que mesmo que eu já tenha decorado determinado espaço 5 vezes, eu vou sempre me esforçar pra fazer 5 projetos diferentes. Posiçoes, móveis, combinaçoes, diferentes umas das outras. E a segunda é que mesmo que uma noiva chegue aqui no escritório querendo MTO aquela decoração igualzinha a da FULANA, eu vou sempre querer adaptar, criar uma coisa nova, e nunca vou me limitar a REPETIR tal qual aquele layout e aqueles detalhes.

 

Eu penso, de verdade, que cada casamento é uma história. E não só para o casal. Cada casamento é uma história que começa e termina aqui pra mim, na minha cabeça, no jeito que eu vou criar, captar a idéia de cada casal, ver o que eles querem em comum, o que não querem de forma alguma, e jamais impor um estilo pq está na moda ou pq eu gosto mais.

 

Todas as noivas chegam com suas próprias vontades, idéias, desejos e sonhos. Tudo misturado. Na grande maioria das vezes, nem elas sabem o que querem, o que gostam e como querem, mas é claro que não. Elas têm uma miscelânea louca de sonhos. E fotos do Pinterest. E do google e da Martha Stuart. E cabe a mim identificar um estilo, um padrão, e o que vamos fazer naquele local. E , obviamente, dar idéias e sugerir outras maneiras de ficar interessante e gostoso de ver, dentro do perfil de cada espaço que estaremos trabalhando.

 

Então, eu virei decoradora na prática. Sem querer. Mas me dedicando, correndo atrás e buscando sempre me aperfeiçoar, fazendo coisas diferentes e o melhor: surpreendendo as minhas noivas no dia. Elas não conseguem visualizar tudo o que está na minha cabeça, e que ÓTIMO! Assim, no dia, elas entram e ficam de boca aberta com aquele espaço encantado que a gente criou para aquelas 5 ou 6 horas de festa. Um mundo mágico, planejado praquelas 6 horas que duram pra eternidade nas lembranças delas, da família, dos convidados, e, claro, nas minhas também.

Até o próximo post. :)

beijos
Carol Souza Lima

contato@carolinasouzalima.com